É fato que hoje dá para resolver quase tudo pelo celular – ganhar tempo no trânsito, pegar um taxi, pagar uma conta, pesquisar empresas e comprar produtos.
As pesquisas confirmam: um consumidor acessa 150 vezes por dia o celular, e navega, no mínimo, 162 minutos diários.
Por isso, as empresas precisam correr se quiserem se adaptar para atender às necessidades deste consumidor.

REPENSE A EXPERIÊNCIA DO CLIENTE
O celular não é um computador de mão e, por isso, seu site ou sua loja virtual para dispositivos móveis não deve ser tratada como uma extensão do seu website.
A experiência do consumidor é ainda mais central quando o assunto é negócios pelo celular. Invista em um site totalmente adaptado, e com isso traga novos clientes para seu negócio.

REPENSE A COMUNICAÇÃO
A sugestão do Google é manter em dia a avaliação dos quatro principais pontos de contato da empresa com o cliente.

  • Seja visto – Ser conhecido pelo seu público é o primeiro passo para criar um laço de confiança. Busque estar visível para o maior número possível de clientes interessados no seu produto.
  • Pense – Uma vez descoberto seu cliente, faça com que ele volte. Pense em formas de manter esse contato ativo, de modo que ele esteja sempre ciente que pode contar com sua empresa quando precisar.
  • Faça – Ofereça meios simples e objetivos para busca de produtos e finalização de operações.
  • Cuide – Evite as pegadinhas e seja claro em todas as informações ofertadas ao usuário.

REPENSE SUAS MÉTRICAS
Considerar apenas o último clique no comando de compra é um equívoco. Seu negócio depende de ações que o mercado chama de cross device, ou seja, a capacidade do cliente de começar o seu contato com a empresa por um canal e encerrar a compra por outro.
Um exemplo muito simples garante a validade desse conceito. No Brasil, um terço dos consumidores procuram a localidade de uma empresa ou loja pelo celular. Ou seja, a conversão não foi feita diretamente neste canal, mas foi o dispositivo móvel que levou o cliente até sua empresa, onde o contato se converteu em negócio.

“Medir cada microconversão no mobile ajuda a trazer valor para o negócio. Quem não investir, não verá o negócio acontecer”, afirma Claudia Sciamma, diretora de varejo do Google Brasil.

Autor: Edvaldo Mello